terça-feira, 20 de setembro de 2016

Retiro espiritual - PREFACIOS V - Teste de carga e primeiro acampamento solo das crias

Este final de semana fiz o primeiro teste de carga na Genoveva. Separei toda a tralha que devo levar, carreguei as duas bolsas, a barraca, o colchonete e o saco de dormir no bagageiro traseiro, bolsinha na frente e carreguei a garrafinha d'água para fui dar uma voltinha e ver como a bicha se comporta a plena carga. Resultado? Uma beleza. Não levo tanta bagagem assim e quase 100% das tralhas vão no bagageiro traseiro. Na frente vão somente as coisinhas que preciso durante as pedaladas (telefone, maquina fotográfica, mapa, carteira, canivete) o que não modifica muito a dinâmica no guidão. Dei uma voltinha na quadra e resolvi tirar uma foto no portão de casa para colocar aqui no "brog". Baixei o pezinho, e oooops! Com todo o peso que var atras, ela não consegue se equilibrar no pezinho central. Para poder deixar a bike de pé tive que usar a base da tranca do portão para que ela não se incline tanto e não perca o equilíbrio.

Genoveva a plena carga

E la vamos nos na loja comprar um pezinho mais apropriado para a Genoveva. Comprei um pezinho que monta atras , justamente onde pesa mais.

A ansiedade está grande, e aumentando. Esta manhã dei uma olhadinha na previsão do tempo para a próxima semana. Sei que não vale nada pois previsão do tempo, por melhor que seja a fonte, só é mais precisa que as profecias de Nostradamus, Maias, Mórmons ou Bíblicas. Mas pela mesma razão que as pessoas precisam dessas coisas, tive que consultar os oráculos do "accuweather.com", e como vocês podem ver, aparentemente São Pedro está comigo nessa, por enquanto.



Outra coisa que fiz foi simular a montagem do acampamento para ver se tudo funciona direitinho e se não esta faltando nada muito importante. Levei a Genoveva pro jardim, montei acampamento e entrei na barraca com saco de dormir e tudo. Nesse momento, por alguma razão, lembrei-me que não tinha colocado um desodorante na bolsa de toilette, e lembrei-me também do dia em que a barraca chegou da "amazon.com" e a montei no jardim pela primeira vez.

Com o Martin e a Nina me ajudando, foi fácil montar a barraca. Um dos specs desapareceu no vão do deck, mas essas coisas da pra comprar avulso. Terminada a montagem, as duas crianças meteram na cabeça que queriam dormir na barraca esta noite. Eu, como pai firme, decidido e autoritário, respondi com confiança: "perguntem pra mamãe".

A mamãe obviamente não gostou da ideia, ainda mais quando eu disse que não haveria possibilidade física, de eu dormir na barraca com eles. A barraca pesa 750g e tem exatamente o meu tamanho. Eu, esticado dentro dela encosto a cabeça em uma ponta e os pés na outra. Ela tem uns 50 cm de altura e deve ter menos de 80 cm de largura. Eu e meus filhos hiper-ativos, ocupando tão pouco espaço nesse planeta, por mais que seja sangue do meu sangue, não da.

O plano então foi o seguinte. Eu, sinceramente, não acreditei que eles fossem conseguir ficar muito tempo nesse ínfimo espaço disponível, na escuridão da noite, aos sons dos animais noturnos, por isso propus deixar a porta da sala aberta enquanto eu dormiria no sofá caso eles chamassem à noite. Claro, o plano era ver um filminho tranquilo com a mulher, tipo assim um Jurassic Parc, com o volume alto suficiente para que eles escutassem la de fora e mudassem de idéa o mais rápido possível. Mas não funcionou. Acabou o filme e os dois estavam la, completamente apagados dentro da barraca.

Sobrou pra mim. Porta aberta e sofá. Fritei durante umas 5 horas até que por volta das 4 da madruga a Nina me chama, toda sem jeito, dizendo que não queria mais ficar ali. Fui pega-la e perguntei para o Martin se ele queria ir para o quarto dele, mas meio dormindo, ele respondeu que não. Coloquei a senhorita na cama e voltei ao meu querido sofá. Não deu 15 minutos e o Martim chama também, com aquela conhecida cara de bunda: "he he, acho que quero ir pro meu quarto"...

Não aguentaram, mas aguentaram muito mais do que esperávamos!

2 comentários: