quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Retiro espiritual - PREFÁCIOS IV - Meu atual estado mental e meu "espiritismo"



Apesar de manter minha mente e corpo ocupados com o planejamento e preparação para minha próxima viajem de bicicleta, meu estado mental neste momento não está muito bom. Meu futuro profissional continua completamente incerto no curtíssimo prazo, o que, na minha condição de expatriado, significa que minha vida pessoal também é uma grande incógnita. Para ajudar, essa semana conheci o cara que vai me substituir na fábrica a partir do dia 3 de Outubro e confesso que não foi o dia mais agradável da minha vida. O cara deve ser uns 10 anos mais velho e parece ser boa gente, bom profissional, exigente e inteligente, o problema não é esse. Passar o bastão para alguém, dessa forma, sem que um novo bastão esteja já nas minhas mãos, me traz a sensação de eu estar perdendo a corrida.

Isto reconhecido, preciso voltar a pensar no lado "espiritual" de minha viajem, do meu retiro. Quem leu os posts anteriores já sabe que o roteiro já está planejado, a bicicleta comprada e testada e as malas praticamente feitas. Esta semana me chegam os novos pneus que comprei pela internet para substituir os dois velhos e ressecados sapatos da Genoveva, e com isso, tudo estará (quase) perfeito. Faltará apenas confirmar a previsão do tempo e temperaturas um dia antes de sair, para levar o saco de dormir e roupas apropriados.

O ponto mais importante sobre o lado "espiritual" de minha viajem que preciso resolver são estas aspas aí. Se você procurar no "google" a definição da palavra "espírito", você vai encontrar umas 18 definições. A lista começa pelas definições mais usuais da palavra e vai passando por todas as outras até chegar às usadas excepcionalmente. Notem que a primeira definição isenta de noções supersticiosas ou mágica, é a oitava. Veja para crer:



É triste, mas apesar de já termos vivido durante os últimos 200 anos uma maravilhosa revolução do conhecimento, apesar de Newtons, Darwins, Hawkins e milhares de outros, ainda vivemos em um mundo assombrado por demônios criados por nós mesmos. Imagino que 99% da população da terra ainda acredita que nosso cerebro é radicalmente diferente de um cérebro de uma lagarticha ao ponto em que em algum lugar atras de nossos olhos e entre nossas orelhas, habita algo não material que é capaz não apenas de dobrar as leis da física, tomando decisões de forma 100% livre, como também é capaz de sobreviver e perdurar sem o resto de nosso corpo. Bonito, mas improvável, ainda mais face ao incompleto mas suficientemente claro conhecimento que temos sobre evolução da vida e funcionamento do cérebro. Eu, até que me provem o contrário, faço parte da  minoria desiludida (é, não da maioria iludida) e por isso faço questão de, sempre que lembrar, colocar o "espirito" entre aspas, para deixar claro que não quero usar a palavra no seu significado mais comumente usado (do 1 ao 7, ou qualquer outro que venha depois e os remeta ao sentido sobrenatural da palavra) mas com significados mais próximos ao 8, ou talvez o 12, ou melhor ainda, o 16.

Para os míopes (ou preguiçosos, vamos lá, afinal semântica é sim muito importante quando se quer falar claramente):
8. mente, pensamento, cabeça.
"a cena não me sai do espirito"
12. fil no hegelianismo, princípio dinâmico, infinito, impessoal e imaterial que conduz a história da humanidade, e que se manifesta no ser humano como plena razão e liberdade.
16. alq ant. liquido obtido pela destilação; álcool, álcool etílico. p.ext. qualquer bebida alcoólica. b infrm. aguardente de cana; cachaça
Para ser mais claro que isso, somente minha definição, aqui, de retiro "espiritual": 
Sair da rotina familiar e de um péssimo ambiente de trabalho (retirar-se) para espaerecer, limpar a cabeça (definição 8), meditar, quem sabe , fazer o que eu gosto (definição 12?), exercitar o corpo e viajar, experimentando o que essa terra, o vale do Loire, tem de bom para me oferecer, o vinho (definição 16).
Somente quem tem alguma experiência com bicicleta entende a relação entre um longo passeio de bike a sós e a meditação. O nível de concentração e o esforço físico necessário para manter o ritmo por horas e horas não é desprezível. Fazer isso a sós, por uma rota tranquila e bonita é como fazer Yoga: exercícios de respiração, silêncio, por um longo intervalo de tempo, em posições desconfortáveis. Adicione isso à belíssima paisagem do Vale do Loire, com seus vilarejos, jardins e castelos, e você terá momentos de contemplação inesquecíveis. No final do dia, ao corpo cansado e mente em ressonância com o terroir, acrescente, por exemplo, uma bela garrafa de Saint Nicolas de Bourgueil, ou de Gamay de Touraine, acompanhado por um rillon, um queijo ou um saucisson local. Perfeito para o "espirito". "Espirito" para o "espirito"! A cereja no bolo vai ser dormir como um faquir em uma pequenina barraca, ao som dos grilos e cigarras, respirando o orvalho.

Quando voltar ao trabalho, depois dessa semana de retiro, meu trabalho já não sera mais meu. Terei ao menos um mês com meu sucessor e depois, sinceramente, não sei nem o que farei nem para onde vou. Meu passado não é importante e meu futuro, apesar de estar determinado, é completamente desconhecido. Ha quem diga que isso é viver, que só existe o agora, e o agora é apreciar o planeta e seus frutos (fermentados ou não), apreciar seu corpo e sua capacidade de viver e mover-se livremente, silenciar-se por horas desfrutando apenas dos sentidos, dos momento, sem neuras, preocupações e ansiedades.

Será que da pra fazer da vida, um grande retiro "espiritual"?

Nenhum comentário:

Postar um comentário