sexta-feira, 31 de agosto de 2012

NAÇÃOZUMBI: A propaganda é a "arma" do negócio




Vamos supor que você viva em uma cidade onde o eleitorado é uma mistura de poucos analfabetos, um montão de analfabetos funcionais, uma grande massa simplesmente  desinteressada, uma pequena elite de picaretas endinheirados, uma meia dúzia de intelectuais idealistas, e você, é claro... e a tua família ... e alguns de teus amigos... :P Agora vamos supor também que nesta cidade exista um processo de eleição semelhante ao de uma democracia, com apenas dois elementos que diferenciem seu sistema daquele outro:
  1. Toda a população vota (não apenas os cidadãos).
  2. O voto é uma obrigação, e não uma opção.


Quem você acha que venceria tal eleição hipotética?

  • Candidato 01: Atual governante do município que, apesar de nos anos anteriores de governo fez porra nenhuma fora sobreviver a uma das maiores crises de corrupção e sacanagem em sua assembleia legislativa, apesar de voltar a se promover com as exatas mesmas balelas das eleições anteriores, dispõe de toda máquina pública para se auto promover e é apadrinhado pelo César em pessoa, governador do império.
  • Candidato 02: Sujeito de passado inútil, com a mentalidade presa nos ensinamentos e valores de um livrinho obscuro cuja maior contribuição para o mundo foi marcar seu afundamento por mais de mil anos no período que ficou conhecido como a “idade das trevas”, porém filhinho do dono de uma grande empresa de telecomunicações famoso por fazer palhaçadas teatrais em rede nacional e que, por isso, usa o sobrenome fictício de extremo mal gosto de seu pai apenas para que o povão lembre quem ele é.
  • Candidato 03: Sujeito ainda em plena ascensão política que não precisa de sobrenomes fictícios, como seu inimigo roedor, para ganhar votos de seu pai. Sempre político, filho de político, e que como todo bom político fez pacto até com o diabo (acho que em política se diz aliança) para aumentar suas chances de na eleição, pois na falta de dinheiro público ou rede de TV poucas são as armas disponíveis para guerrear com gente grande.
  • Outros: candidatos tão indignificantes que só aparecem como “OUTROS” nas pequisas de intenção de voto.



Eu sinceramente acho que o 03 tem pouca chance e o 01 tem pouco carisma, agora o 02... o zero-dois tem tudo para ser a próxima piada municipal (de muitas) e o Tiririca é tudo o que preciso mencionar para validar minha tese, mas não sou tao fácil...

Em quem o povo vota: No pastel que aparece bem na propaganda, com a cara bonita e dizendo tudo o que o povo já ouviu antes mas ADORA ouvir de novo e de novo, mas agora com a roupagem mais bonita que o marketing moderno pode providenciar! O povo vota no nome que vem à cabeça na hora de apertar o botãozinho verde. O povo vota no mais simpático, no mais "bão", no mais sério, no mais honesto, como se uma plaqueta vagabunda na margem da rodovia, um carro de som ilegal ou 15 minutos diários de lavagem cerebral televisiva fosse capaz de demonstrar caráter e apresentar pessoas. Critério? Só conhece o que fica na entrada da vurva, e olhe la!

Então, porque é que o zero-dois vai ganhar? Como é que um cara desses conquista tantos votos?

Ele tem a faca e (ironicamente) o queijo!

A conta é fácil! Some os 40 mil analfabetos de nosso município aos 140 mil analfabetos funcionais, os que até sabem escrever seus nomes ou ler a o que está escrito na camisa do artilheiro, mas que são incapazes, por definição, de entender a mais simples crítica política da Tribuna ou da Veja. Já são 180 mil. Somemos a esses a grande maioria dos Curitibanos que nem sequer completaram o ensino fundamental e que possivelmente sabem muito pouco a respeito de suas próprias necessidades a médio-longo prazo,470 mil, e também a maioria dos 80 mil Curitibanos que compõem os 8 ponto de IBOPE do programinha do papai roedor. Só esses já somam bem mais do que 60% do eleitorado. Vamos extrapolar e somar pelo menos 1/3 dos desinteressados (os outros 2/3, aleatoriamente votarão nos outro 2 candidatos,  não nos demais que não figuram na pesquisa ibope pois essa classe se divide em dois tipos de indivíduos, os que acham que votar é como apostar em quem vai ganhar e não de fato fazer uma escolha e os que acham que votar em quem certamente vai perder é desperdiçar voto). Isso chega facilmente em 75% dos do parque eleitoral. 

Na minha humilde e claramente cretina opinião, se o filhote de roedor não ganhar essa hipatética (ato-falho) eleição com a pelo menos a mesma vantagem que o cefalópode saiu da última, é porque nem de propaganda sua emissora entende bem.

Acho que dá pra entender muito bem, e até prever qual seria o resultado de uma eleição realmente democrática comparando os resultados de uma pesquisa guiada (a que é normalmente amplamente divulgada, onde o eleitor escolhe um nome de uma lista com nomes e fotos) com o resultado de uma pesquisa espontânea, quando o eleitor tem que SABER sua intenção de voto. Não é exato, mas é uma boa indicação do que poderia acontecer se facultássemos os votos, o poder de decidir o futuro do município, somente aos seus cidadãos, os indivíduos LIVRES que podem, CONSCIENTEMENTE e com o EXERCÍCIO DA RAZÃO e SABEDORIA, ESCOLHER um candidato, ao invés de obrigar a toda a nação zumbi a apertar um botãozinho com base em pura propagandagem.

Posso ser cretino, mas o sistema é perverso! Ou você acha que essa última greve dos professores é apenas um fato isolado?

Um comentário: