quinta-feira, 12 de novembro de 2009

P.S. sobre o post "Vício"




Hoje aconteceu algo interessante no trabalho:
Recebemos um email do corporativo (trabalho em uma multinaional europeia) solicitando urgentemente exemplos locais de realizações na área ambiental para serem exibidos em um evento na França. Como ex-ex-responsável pela parte ambiental da fábrica, o email chegou para mim e para o ex-responsável. Este ex-responsável encaminhou a solicitação para o atual responsável, dando dicas de o que poderíamos apresentar, uma vez que o atual responsável é novo na empresa e talvez não estivesse ainda totamente a par de nossas realizações e programas passados.
Dentre as recomendações, estava o nosso bicicletário, implementado por ele (o ex-esponsável) para que a turma tivesse um local para estacionar as bicicletas, e com essa recomendação sugeriu também que fosse tirada uma foto minha como "funionário exemplar, comprometido com o meio ambiente". Agora vem a parte interessante: porquê eu?
O bicicletário foi criado a mais de três ou quatro anos, por que tínhamos funcionários indo trabalhar de bicicleta e precisavam de um lugar para estaciona-las. Sempre tem bicicletas lá, sempre teve, pelo menos umas 10, mas não,  o Nicholas é o cara, o funcionário exemplar, comprometido com o meio ambiente.
Qual a diferença entre eu e os outros ciclistas? Eu sou o peixe fora dágua. Não sou operário, sou o gerente, o burguês que se sugeita a ir de bicicleta, mesmo sem precisar. Eu sou o exemplo a ser seguido, ou pelo menos admirado a distância, o cara que tem um carro mas não usa. Os outros tantos, que pedalam todos os dias para trabalhar duro mas sem ganhar o suficiente para comprar seu automóvel, não são interessantes, não são os comprometidos com o meio ambiente, não simbolizam nosso programa ambiental.
Essas conclusões são minhas, sem a intenção de desrespeitar ou desmerecer os profissionais que me quiseram colocar em uma foto para o evento em Paris afinal, eu também me julgo especial por estar usando a bicicleta... a ponto de escrever sobre isso na inernet. O vício vai muito fundo em nossa alma.

3 comentários:

  1. Muito fofo vc!!! Adoro tua maneira de ser, msmo que seja rabujinha.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito desse texto!
    Afinal, a foto foi ou não foi?
    Abs
    André F.

    ResponderExcluir
  3. Não foi. Respondi com a pergunta "porque eu?" e o assunto acabou por aí mesmo. ;)

    ResponderExcluir